Dissertação investiga eficácia da hipnose como adjuvante na fibromialgia

Dissertação investiga eficácia da Hipnose como adjuvante na Fibromialgia

Quais são os benefícios e eficácia do uso da hipnose no tratamento para fibromialgia? Essa pergunta direcionou o foco da pesquisa e dissertação de Mestrado da estudante Daniela Caputo Dorta, no Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia em Saúde e Medicina Investigativa da Fiocruz Bahia.

A dissertação teve como título “Eficácia da Hipnose em Pacientes com Dor Crônica Associada à Fibromialgia (Hyp-Fibro)”. A pesquisa foi feita com os métodos de estudo prospectivo, randomizado, cego para o avaliador, comparativo, realizado no Ambulatório de Dor da Clínica COT e aprovado pelo CEP do Hospital Ana Nery. Foram incluídos 49 participantes portadores de FM distribuídos aleatoriamente em dois grupos.

Após o trabalho, chegou-se à seguinte conclusão:

“A hipnose diminuiu a intensidade da dor, melhorando componentes afetivos e sensoriais da dor, e melhorou outros parâmetros, como qualidade do sono, qualidade de vida e sintomas de ansiedade e depressão dos pacientes com fibromialgia (FM).

É possível propor que a hipnose associada ao tratamento padrão pode ser uma alternativa eficaz e econômica na redução dos sintomas relacionados a fibromialgia (FM)”.

Segue abaixo o resumo da dissertação:

INTRODUÇÃO: A fibromialgia (FM) é uma síndrome dolorosa crônica, que acarreta com frequência o afastamento do trabalho, incapacidade e distúrbios psicossociais, afetando a qualidade de vida dos pacientes.

Apesar da variedade de opções terapêuticas disponíveis, uma baixa porcentagem dos pacientes tratados apresenta melhora significativa dos sintomas. Deste modo, novas opções terapêuticas eficazes para a FM, incluindo abordagens não farmacológicas como a hipnose, podem trazer benefícios para essa condição.

Alguns estudos clínicos já foram conduzidos para avaliar a eficácia da hipnose no contexto da FM, entretanto, conclusões definitivas são dificultadas por falhas no delineamento experimental, como falta de controle e amostra reduzida, e ausência de estudos com a população brasileira.

 

OBJETIVO: O presente trabalho objetivou investigar a eficácia da hipnose como adjuvante no controle da dor crônica em pacientes com FIBROMILAGIA.

MÉTODOS: Estudo prospectivo, randomizado, cego para o avaliador, comparativo, realizado no Ambulatório de Dor da Clínica COT e aprovado pelo CEP do Hospital Ana Nery.

Foram incluídos 49 participantes portadores de FM distribuídos aleatoriamente em dois grupos: o grupo intervenção (n=24) recebeu tratamento farmacológico padrão, acompanhamento clínico e 8 sessões semanais de hipnose com uma hora de duração cada; o grupo controle (n=25) recebeu o tratamento farmacológico padrão, acompanhamento clínico e 8 encontros semanais com o hipnólogo do estudo sem hipnose.

O desfecho primário de eficácia foi a alteração da intensidade da dor mensurada pela escala numérica de dor (END). Os desfechos secundários foram estabelecidos como mudanças nos escores do questionário McGill Pain Questionnaire (SF-MGQ), do questionário de qualidade de vida (WHOQOLBREVE), da Escala de Catastrofismo Associado a Dor (B-PCS), do Índice de Qualidade de Sono de Pittsburgh (PSQI-BR), da Escala de Ansiedade e Depressão Hospitalar (HADS) e do Questionário de Impacto de Fibromialgia (QIF).

Estes parâmetros foram avaliados no baseline (antes do tratamento), no pós-tratamento (até uma semana após o fim do tratamento), e no follow-up (após 3 meses do final de tratamento).

 

RESULTADOS

A maioria dos participantes era do sexo feminino, com idade média de 45 anos e com FM há mais de 24 meses. Nas medidas de baseline, não foram observadas diferenças estatísticas entre os grupos. No grupo de intervenção (GI), mas não no grupo controle (GC), os valores de END foram estatisticamente menores no pós-tratamento e no follow-up em relação ao baseline (redução de 51,4%).

O GI, mas não o GC, também apresentou melhora significativa em relação ao baseline nas escalas HADS (redução de 41,3%), no QIF (redução total de 24,93%, 44% no domínio físico e 66% no domínio psicológico), na escala B-PCS (redução de 62%), no questionário WHOQOL-BREVE (melhora de 64,5%) e no índice PSQI-BR (melhora de 43%) tanto no pós-tratamento quanto no follow-up.

 

CONCLUSÃO

A hipnose diminuiu a intensidade da dor, melhorando componentes afetivos e sensoriais da dor, e melhorou outros parâmetros, como qualidade do sono, qualidade de vida e sintomas de ansiedade e depressão dos pacientes com FM. É possível propor que a hipnose associada ao tratamento padrão pode ser uma alternativa eficaz e econômica na redução dos sintomas relacionados a FM.

Dissertação investiga eficácia da hipnose como adjuvante na fibromialgia

 

Olá!

Escolha um de nossos terapeutas para seu atendimento.